As possibilidades em adestramento de cães, por Susan Garrett

Susan Garrett

Este artigo foi escrito pela Susan Garrett, treinadora canadense de Agility e Obediência e traduzido por Anna Carolina Engelke, nossa cliente e amiga. Aproveitem a leitura, que vale muito a pena. Carol, parabéns pela iniciativa!! 🙂

Artigo traduzido por Anna Carolina Engelke com a autorização de Susan Garrett.

“Recentemente me envolvi em uma discussão sobre metodologias de adestramento com amigos e membros da CAPPDT. Me senti impelida a escrever esse post e espero que o tenha feito sem julgamento. Sei que já discuti esse assunto diversas vezes no passado, mas ele certamente vale mais uma olhada.

Você sabe por que alguém treinaria um cão usando força e intimidação se esse alguém não achasse que fosse necessário? A resposta é: eu acho que ninguém treinaria assim.

CLICKER FREAKS – Doidos do clicker

Independente da metodologia escolhida no adestramento, estamos todos unidos pelo nosso amor por cães. Pense nisso, se você ama cães e treina com intimidação e força, você já deve estar armado com milhares de razões porque você acredita que a força é necessária, a fim de satisfazer aquela voz suspirando em seu ouvido que continua a te perguntar “…. e se todos aqueles doidos do treino positivo estão aprontando alguma?”.

Imagine se existisse um mundo onde você pudesse treinar seu cão para fazer qualquer coisa que você desejasse; ser o melhor e mais incrível companheiro que você já teve; atingir todos os seus objetivos de treino e fazer tudo isso em metade do tempo que você gastou com cães no passado; tudo isso sem nunca corrigir seu cão fisicamente e sem perder o controle e bom humor enquanto treina… você não gostaria de ir a esse mundo?

Alguns de nós vivemos e prosperamos em tal mundo de treinamento canino. Um lugar onde cães não são culpados, nem corrigidos verbalmente ou fisicamente por seus “erros”. Sim, esse mundo existe. Não importa se você treina cães de prova de caça ou apenas cães de companhia; treinar dessa maneira É possível para TODOS.

Não é o cão…

Talvez você já tenha visto outros treinarem sem correções e seus cães não tão bem comportados, não ouvem quando em meio a distrações, ou o comando “Junto” desses cães só poderia ser descrito como meia-boca no máximo. Só porque alguém tentou e falhou no treinamento “com comida apenas” não significa que a “metodologia não presta”. Por favor, considere a possibilidade de que a aplicação da metodologia era a única parte com problemas.

Eu sei que minha educação é limitada, meu foco em adestramento está só naquilo que amo; primeiro criar um cão de companhia incrível e depois um grande cão de AgilityObediência ou Flyball. Portanto, eu não tenho todas as respostas para todos os problemas em treinamento de cães. Mas eu sei que existem diversas outras pessoas por aí que também estão trabalhando duro para achar uma “forma melhor” de treino em todas as áreas. Eu também sei que a maior parte da metodologia que uso pode ser lindamente transferida para a maior parte das – senão todas – áreas de adestramento de cães, gatos, cavalos ou até crianças.

Soltando o nerd em treinamento canino

As imagens a seguir esquematizam o treinamento de cães como eu o vejo. (Nota: eu sei que tais quadros não levam em consideração os cães com quadros comportamentais severos, mas sim, levam em conta as massas que vemos todo dia no mundo do adestramento). Sabendo que cães aprendem através de reforço, o reforço é a chave para todo treinamento. Quando as pessoas perdem o controle daquilo que reforça seus cães, nada resta além da punição. É uma coisa, ou outra. Como eu enxergo, para o cão sem treinamento, a necessidade do uso de punição aumenta conforme o controle do acesso aos reforços diminui.

Susan Garrett

Nos últimos vinte anos, eu tenho olhado para o treino de cães dessa forma. Eu sinto que existem dois conceitos-chave.

Conceito Chave No. 1

Quanto melhor você controlar o acesso aos reforços, menos você terá de usar punição em seu treinamento.

A fim de treinar com um alto índice de sucesso, o reforço é uma ferramenta básica. Cães aprendem através de reforços. Se o cão teve liberdade para continuamente acessar fontes de reforçamento que fortalecessem comportamentos indesejados, você tem duas opções. Ou encontrar algo mais reforçador (o que pode não ser possível) ou punir. De verdade, não existem outras opções.

E aqui está a parte que eu adoro:

Quanto mais criativo você for em maneiras de desenvolver, redirecionar e controlar os reforços, menos necessidade haverá para punição.

Eu escolhi treinar sem o uso de correções verbais ou físicas, portanto, devo saber e controlar todas as fontes de reforçamento dos meus cães. É uma jornada incessante de descoberta para mim!

Susan Garrett

Em uma das pontas do espectro de punição está a forma mais branda, que é simplesmente segurar ou impedir o acesso a um reforço quando você não gosta daquilo que seu cão está fazendo.

graficosusan3
Do outro lado do espectro temos o que seria considerado abuso. Dores severas causadas com a intenção de criar medo e eliminar completamente os comportamentos.

Acho que podemos concordar que nenhum programa de treino promoveria punições desse nível como uma parte da rotina e do dia-a-dia. As linhas de “adestramento tradicional” puniriam em um nível mediano, algum ponto entre esses dois extremos. Acredito que cada escola deva ditar sua própria tolerância e definição desse uso.

Ao treinar dessa forma, você pode ser mais desleixado e não ter pleno conhecimento do que reforça ou não seu cão. Não é tão importante porque você pode voltar e tentar controlar o cão através das punições, ao invés de parar e ensinar seu cão a se autocontrolar e ignorar todas as fontes de reforços que não são direcionadas por você.

Susan Garrett

Agora vamos examinar o que eu quero dizer por “acesso a incríveis reforços”. No ponto mais baixo do gráfico, está um cão que vive de uma forma que eu descrevo em meu livro “Ruff Love”. O cão ganha (por merecer) todos os reforços e todos esses são entregues através do dono. Obviamente isso não é plenamente possível já que seu cão será reforçado por qualquer pessoa que faça carinho em sua cabeça, ou quando ele bebe água na cozinha. Justamente por isso, quando falamos do controle de reforços “incríveis”, a parte mais importante é o controle do que o seu cão considera como “incrível”.

Susan Garrett

No outro ponto dessa escala, está o cão que vive em um mundo sem regras. É o cão que rouba comida, brinquedos, persegue outros cães, esquilos ou gatos quando bem entende, late sem parar para conseguir o que quer, revira o lixo, rouba a despensa de comida e, é claro, pode ser visto arrastando o dono pelas ruas ou derrubando a visita que chega na casa…. Vocês entenderam…

Susan Garrett

Logo, tudo que isso significa é que se você acredita que o tipo de treino descrito em “Ruff Love” é muito trabalhoso ou cansativo, então você vai precisar usar punições para atingir seus objetivos de treino com seu cão.

Quanto melhor você controlar os reforços, menos você necessitará de punições para treinar seu cão.

Sim, é simples assim. Mas como diz Bob Bailey: “simples mas nem sempre fácil!”

Conceito-chave No. 2

O último conceito chave para treinar dessa forma é a forma como os reforços são usados. Treino eficiente e efetivo usa todos os reforços como recompensas ao invés de induções. O cão deve ser capaz de ignorar todos os reforços até a hora em que, tendo merecido, o recebe do dono. Assim, quando treinando dessa forma, todos os reforços mais poderosos têm sua origem, em primeiro lugar, como grande distrações para o cão.

Um desafio de treino

Fiz o vídeo abaixo para mostrar alguns exemplos do que é possível atingir com essa metodologia.  Você tem três opções:

– você pode, obviamente, escolher não assistir ao vídeo

– você pode assisti-lo pensando “sim, mas é um border collie!” ou “sim, mas você é uma treinadora profissional” OU

– você pode assistir a esse vídeo com uma cabeça aberta para incontáveis possibilidades

      
 

Se você é um adestrador respeitado que usa punição física porque acredita que está trabalhando com um “nicho” que exige mais força do que outros, porque não aceita meu desafio? Se torne um pioneiro em sua área. Faça o que outros não acreditam ser possível.

Pensem em possibilidades, não em limites.

Seja a diferença que o seu mundo de adestramento está esperando (mesmo que eles ainda não tenham percebido isso!!)

Hoje, estou agradecida por todos vocês que leram isso e ousarão ir contra as tradições e olhar para uma forma melhor para nossos cães e alunos. 

By | 2017-01-18T11:43:16+00:00 agosto 16th, 2011|Categories: Artigos|Tags: |4 Comments

4 Comentários

  1. Anônimo 27/05/2014 em 23:08 - Responder

    É o método que, sem dúvida, tentarei aplicar no adestramento do meu cão.

  2. Eunice Sadoyama 15/10/2015 em 21:32 - Responder

    Agradeço a Susan que escreveu, a Carol que traduziu, a Tudo d Cão, pelo maravilhoso artigo e vídeo. Espero um dia poder viver neste mundo, fazendo a diferença em meu meio, mostrando como os cães são especiais e muito mais capazes do que muitos acham. Lendo este artigo, me deu a esperança de um dia ter os meios necessários para isto. Parabéns a vocês!! Continuem por este caminho.

  3. Muito bom este artigo da susan, pois abre a mente de pessoas que gostam de cães, como eu. parabéns pelo post!

  4. PCMardegan 21/08/2017 em 21:59 - Responder

    então vamos começar a fazer a diferença……..parabens a todos por essa publicação

Deixar Um Comentário