Como socializar cães – a importância e os cuidados

//Como socializar cães – a importância e os cuidados

Como socializar cães – a importância e os cuidados

Como socializar dois cãesEste assunto é talvez, o mais relevante de todos na educação do cão de estimação.

O que é socialização?

A socialização é tornar o animal sociável e acostumado com os diversos estímulos a que estamos submetidos em uma vida em sociedade.

Vamos imaginar um filhote de três meses saindo de casa pela primeira vez. Tudo é novo e pode ser assustador. Essa idade está inserida no que chamamos de “Primeira fase do medo”. Podemos dizer que seria equivalente ao período em que um filhote de lobo sai da toca pelas primeiras vezes. Quanto mais rápido ele aprender o que é perigoso, maiores são as chances de sobreviver.

É necessário termos muita paciência nesse momento para entendermos os medos e trabalharmos para que eles não se desenvolvam.

Em situações normais, daquilo que ficar ‘imprintado’ (gravado) como sendo perigoso, o cãozinho poderá fugir ou atacar para o resto da vida.

Agora vamos imaginar um cãozinho que mora há dois anos com outro cão. O que ele aprender, apenas com o outro cão, sobre relacionamento e linguagem canina será suficiente para se relacionar adequadamente com outros cães? Certamente não. Qualquer cão diferente que ele venha a conhecer poderá ser assustador. Seria o mesmo se disséssemos que conhecer apenas uma pessoa em nossa vida seja suficiente para conhecer a espécie humana e sabermos lidar com toda a sua complexidade.

O mesmo vale em relação à ambientes. Uma pessoa que nunca saiu de casa, dificilmente se comportará adequadamente fora dela.

Socialização passiva, o que é?

Socialização passiva é quando o cão é exposto a pessoas, cães equilibrados, etc. e o cão permanece na guia sem interferência do dono. Este filhote aprenderá apenas a ‘suportar’ os estímulos. Ele provavelmente vai apenas se acostumar a eles.

Nesta situação é muito comum que o filhote fique ansioso. Assim que vê uma pessoa ou cão, ele começa a puxar e ficar afobado, querendo interagir (sem saber como) e, na maioria das vezes, quase se enforca na guia.

Ou seja, na socialização passiva, o cão é exposto aos estímulos, mas não é feita uma associação positiva. Acaba sendo feita uma associação ao acaso. Muitas vezes gerando, inclusive, agressividade.

Socialização ativa, o que é?

A socialização ativa não é só acostumar o cãozinho aos estímulos, mas fazer com que ele os aprecie. Por exemplo, passar uma tarde no parque brincando com outros cães e pessoas.

Ou, ao passar um ônibus barulhento ele ganha um petisco. Repetindo algumas vezes, o cãozinho pode começar a se sentir a vontade na presença de ônibus em movimento e, muitas vezes, passa até a gostar de estar nesta situação.

O mesmo vale para pessoas (de idades e estilos diferentes), cães, motos, carrinhos de bebê, etc. Tudo aquilo a que nós, humanos, já estamos acostumados e nem nos preocupamos mais.

Somente dar um petisco para o cão na presença dos estímulos é suficiente? Ainda não. Estaremos criando uma associação positiva, mas, isso ainda não é socialização ativa.

A socialização ativa ocorre quando o cão interage de forma saudável e agradável com os estímulos.

Como fazer para socializar ativamente meu filhote?

1. O primeiro passo é comprar seu cãozinho apenas depois de sessenta dias de idade. Ele precisa ficar até pelo menos sessenta dias com a mãe e irmãos. Não recomendamos comprar filhotes que não conviveram até esta idade.

Essa primeira fase de socialização é muito importante. O filhote aprenderá a linguagem canina básica (sim, ela existe!) com a mãe e os irmãos. Um filhote que passou bastante tempo nesse ambiente raramente vai ser do tipo que, brincando, morde os braços dos donos até machucar. Costumam ser muito mais equilibrados e fáceis de treinar, cedem com mais facilidade, são menos insistentes e aceitam melhor nossas propostas de treino.

2. Brincar com cães equilibrados, que gostem de outros cães, que não apresentem agressividade e dos quais seus donos tenham o mínimo controle. Ok, essa tarefa já é um desafio, mas existem cães assim. Opte por filhotes de amigos, ou cães que estão acostumados ao convívio pacífico com outros cães em praças, viagens, etc. Evite aqueles que apenas ‘suportam’ a presença de outros cães, mas na hora de interagir costumam dar aquele aviso ‘Aufff’ para o cãozinho se afastar. Você precisa colocá-los juntos de duas a três vezes por semana.

Escolha um local cercado e sem interferência de outros estímulos (que possam assustar) e de outros cães. Deixe-os brincar bastante, até cansar. Supervisione a brincadeira para que não se machuquem ou um não ‘abuse’ da boa vontade do outro. Nunca grite, brigue ou ameace, ao invés disso, oriente. Se o filhote está se excedendo, vá até ele e o afaste levemente do outro, quantas vezes forem necessárias para que ele se acalme um pouco e descubra que desta forma a brincadeira acaba. Se encontrar outros filhotes, coloque todos juntos e caso isso não seja possível, faça a ‘procissão’ com o seu, de casa em casa, o máximo de vezes que conseguir.

Muitas pessoas aconselham a deixarem os cães “se resolverem”. Esta opção é, sem dúvida, uma das piores encontradas. Assim como supervisionamos crianças e não deixamos que briguem entre si, não podemos deixar que isto ocorra com nossos cães. Certamente ele associará a presença de outros cães com apanhar ou bater.

3. Associe positivamente com petiscos (carinho não é suficiente nessa fase) no passeio, a passagem por portões com cães agressivos ou latindo e cães que passem na guia com seus donos. Pare a uma distância segura (que ele não apresente sinais de medo) e ofereça petiscos. Pode também induzir os comandos que ele já está aprendendo (já está, ne?), como Senta, Deita, Dá a Patinha. O desempenho, neste momento, é irrelevante. O objetivo é conseguir que se concentre em nós enquanto o outro cachorro do portão se esgoela ou passa na guia. Crie uma lista de estímulos, por exemplo:  

  • Ônibus
  • Motos
  • Caminhão de lixo / gás
  • Outros animais
  • Pessoas que se aproximam com bolsas, chapéu, guarda-chuva, capa de chuva
  • Mendigos
  • Multidões
  • O que mais puder identificar como estímulos.

Andar 20 min no meio de multidões já é um exercício mental imenso, que vai deixá-lo exausto. Sempre faça associações positivas.

Com pessoas:

1. Além de oferecer petiscos para seu cão na presença das pessoas de diferentes idades, etnias e alturas, peça para essas pessoas oferecerem petiscos para ele. Exemplos:  

  • Pessoas de diferentes etnias
  • Pessoas com alturas diferentes, de terno, homens, mulheres
  • Porteiros
  • Carteiros (!)
  • Varredores de rua
  • Idosos
  • Crianças – Chame crianças para brincar de bolinha com seu cãozinho. Ele vai adorar! Conselho: escolha crianças mais calmas e com mais de quatro anos de idade
  • Etc.

Uma vez só é suficiente? Não! Faça isso pelo menos 2 ou 3 vezes por semana. Após um mês, pode diminuir o ritmo.

Nossa, mas socializar meu cãozinho dá muito trabalho! Pois é, não podemos mentir. Porém, ao final desse trabalho, você dificilmente terá problemas de agressividade e medo e ainda terá um cãozinho equilibrado por toda a vida.

Um cão bem socializado consegue ser seguro o suficiente para resolver suas ‘questões’ sem precisar usar agressividade. Na maioria dos casos, a agressividade é fruto do medo daquilo que o cão não conhece ou possui uma associação ruim e quer repelir.

Cada cão é único e pode apresentar reações diversas aos diferentes estímulos. Cabe ao dono trabalhar cada uma delas. Você é a pessoa que mais conhece seu cão e, depois de alguma observação, conseguirá identificar com facilidade o que precisa socializar.

Uma boa socialização é, sem dúvida, o melhor investimento que você pode oferecer ao seu cão. Além de ser divertido você evitará problemas futuros e terá um cão equilibrado e seguro.

Faça uma lista de itens que você considera importantes que o seu cão saiba se relacionar e utilize esta lista como um guia para uma socialização planejada e bem feita.

Gostou do artigo? Deixe um comentário abaixo. 🙂

2017-01-18T11:43:19-03:00 129 Comments

129 Comments

  1. tania oliveira 05/11/2015 em 21:35 - Responder

    Estou adorando tudo, como já disse sou leiga no assunto adestramento, adoro animais e pretendo trabalhar nesta área. É saudável levar um filhote sem todas as vacinas para um passeio na rua, ou pista de caminhada ? Obrigada.

  2. carlos eduardo 08/11/2015 em 18:20 - Responder

    Adoro cada vez as suas dicas,estou ansioso para ter meu cão e adestra-lo, estou muito grato pelos seus emails, vão me ajudar muito mesmo, ainda mais que meu cão terá que ser bem equilibrado.

  3. Fatima 10/11/2015 em 17:43 - Responder

    Adotei uma misturinha linda. Amor a primeira vista. Em 2 dias ela se apegou tanto a mim que não permite outra pessoa se aproximar de mim. Principalmente se for do sexo masculino, isso só dentro de casa. Na rua se comporta como uma Laide. Ainda não consegui que fizesse suas necessidades no lugar certo. Mas estou tentando. Mas qto a ter visitas está mais complicado. O que devo fazer?

  4. Felicia 15/11/2015 em 07:38 - Responder

    Tenho a Lulu,tem 1 ano estimado,até 3 meses atras ela só viveu na rua(Sempre tive cães de rua).A lulu já tentei de tudo,ela não tem medida para nada,se brinca com outro cão,brinca com ele até ele não aguentar mais,todos os 4 cães da casa,foram salvos de uma maneira ou outra.Lara porte grande idosa,Francisco,porte grande jovem,Clayd 6 anos,e a Lulu.Todos são tranquilos…Nenhum quer chegar perto da Lulu,ela é ciumenta,possessiva,momentos agressiva,late muito,interessante que nos passeios,ela não é assim,aprender a fazer as necessidades fisiologicas,aprendeu em 2 dias ,seguindo o Clayd,ela não faz nem no jardim…É jornal e no box do banheiro,agora dôrme a noite toda,ainda com chamada de atenção.Tudo isso para sociabiliza la,aqui em casa,já tentei de tudo!!!Percebo que ela já sente que tem casa,carinho,tudo que precisa!Ela pensa que eu sou só dela,até do telefone,ela tem ciume.Percebo que ela observa tudo pela casa,o lustre no teto,tv.etc…Já entroduzi brinquedos,ela brinca,mas logo lárga.Ela tem coisas boas que aprendeu aqui em casa.E outras só o tempo vou conseguir.Pensei que a Lulu respeitava a Lara pela idade,ontem fez a maior briga,por ciume,a Lara se afasta…A Lulu é super hiperativa…Nisso não posso acompanhar,e nem adestrador não teria como!Favo de Mell no Facebook.

  5. Rafael 18/11/2015 em 08:41 - Responder

    Oi adorei as dicas, tenho um pitbull d 50 dias… Já aprendeu sentar, deitar e da a patinha, ñ to conseguindo ensinar comandos d sim e ñ…..

  6. Angela 21/11/2015 em 00:32 - Responder

    Excelente artigo. Vou aproveitar algumas dicas. Pq a minha filhotin h a tem 01 ano e 03 meses e é bem socializada mas temos que fazer uns ajustes ainda. Valeu pelas dicas.

  7. André Cavedão Pinhalves 21/11/2015 em 15:06 - Responder

    Hola Leonardo, linda postagem, vocês da tudo de cão está de parabéns!!!

  8. Anita 18/12/2015 em 17:53 - Responder

    Gostei muito das dicas. Tenho uma cadela SRD que foi adotada aos 4 meses (hoje ela tem um ano e meio) e é bastante antissocial. Tem sido uma jornada estressante e tenho a sensação de que ela, simplesmente, não aprende. Late ferozmente e quase se enforca na guia com todo e qualquer cão/pássaro/moto que passe, e eu acreditava que o petisco ou carinho nessas horas pudesse incentivar o comportamento errado. Porém, os gritos de “não!” e os puxões na guia apenas tornam tudo mais estressante, sem sucesso.
    Aplicarei imediatamente suas sugestões e espero que surta efeito. Obrigada

  9. Patt 09/01/2016 em 09:35 - Responder

    Adorei!!! Era o que eu estava querendo aprender, obrigada!

  10. Lucinedia lopes 16/01/2016 em 02:47 - Responder

    estou adorando é muito bom todos os artigos.vai ajudar muito em educar os meus filhotes, na socialização deles. São muito agressivos com as pessoas que não conhecem e quando vão passear na rua .

  11. Atílio Teixeira 21/01/2016 em 16:48 - Responder

    Tenho duas pinschers velhas em casa, elas não foram adestrados. Recentemente ganhei uma border collie, ela já está realizando os comandos básicos. O problema é que ela é muito elétrica e brinda pulando por cima das pequenas, que ficam com muita raiva. Ela tem medo de uma das pequenas, mais da outra não, ela fica correndo atrás e a outra fica muito brava. O que eu devo fazer? Ela está com 3 meses. As pinschers 7 e 9 anos.

  12. Neuza 29/01/2016 em 19:04 - Responder

    Adorei o artigo. Muito bem escrito e com todas as dicas necessárias. Tenho essa prova em casa uma segui essas dicas e ela nao me da preocupacao nenhuma fora de casa. Na outra protegia muito derivado ao seu medo e atualmente tenho uma cadela extremanente desconfiada, medrosa e na rua tem de estar açaimada pois a sua ma socializaçao pode causar um acidente.

  13. Izabel Gois 08/02/2016 em 16:53 - Responder

    Olá, tenho uma maltês com 11 meses. Ela não interage com outros cães, do contrário foge e sente muito medo. Ela corre para o meu lado e pede colo quando vê outros cães, independente do tamanho ou raça.
    Ela teve uma bactéria quando bebe, por isso não saiu de casa até o 4* mês de vida. Deste então nunca deixou nenhum outro animal aproximar-se. O que posso fazer?

  14. Gladys 19/02/2016 em 23:23 - Responder

    Perfeito o artigo. E sim, Socialização de um cão dá muito trabalho mas, o resultado é extremamente compensador, afinal vamos estar juntos, no mínimo, por dez anos!!!! Vale a pena demais!!!

  15. carlos fernando 20/02/2016 em 21:53 - Responder

    Leo, bom noite , pergunto com um cão para guarda e cia, essa situação de socialização, não seria problema para posterior reação na função dêle , futura ?ou seja está de bem com todos , no momento em que tiver que reagir com um estranho” suspeito” por exemplo , vai abanar o rabo ao invés de “atacar ” como disse é um cão de guarda ?

  16. Givago 23/02/2016 em 19:17 - Responder

    Como socializo dois cães de 30kg? Bulldog inglês e American bully. Os dois são assassinos =/ nenhum se da com ngm. Criança, cachorro. Adulto. E nem um com o outro… Queria que os dois se socializassem pelo menos pra viverem em paz.

  17. Maria 27/02/2016 em 17:09 - Responder

    Adorei as orientações, preciso saber como lidar com Yorkshire fêmea filhote junto com um pinsher macho de 4 anos?

  18. regiane 14/03/2016 em 15:49 - Responder

    Estou levando Luna na feira ! 1 x por semana

  19. Suia Legaspe 14/03/2016 em 18:44 - Responder

    Ótimo! Super últil! Obrigada!!!

  20. melysandre 18/03/2016 em 07:54 - Responder

    quando o cao realmente apresenta esse instinto de agressividade ,lati para tudo,avança nas pessoas ,mesmo vc dando os comandos Ja nao e mais filhote,tem 4 anos e é femea.,quando esta dentro de casa é diferente,mas quando sai na rua,fica sempre alerta a tudo como se estivesse caçando e as pessoas ficam com muito medo dela e é muito forte,nos carrega junto.O que fazer

  21. Silvana 28/03/2016 em 10:43 - Responder

    Muito bom, adorei…. Eu só gostaria de saber mais sobre a socialização de cães adultos…
    Tenho quatro que vivem dentro de casa e uma vez ou outra duas delas (uma bulldog ingles e uma dashund) se estranham e partem para o ataque. Entro em desespero….

  22. Jéssica Fellas 06/04/2016 em 09:25 - Responder

    Olá!

    Vou pegar meu cãozinho no final desse mês, fiquei com uma dúvida, a partir de quando ele pode começar a brincar com outros cachorros? Pq irei pegá-lo com 60 dias mas ele ainda não terá tomado todas as vacinas, isso que gerou minha dúvida.

    Obrigada!

    Beijos e parabéns pelo site que é muito informativo.

  23. Liz 14/04/2016 em 21:38 - Responder

    Olá, tenho 3 cães, 1 lhasa super controlador e agressivo quando acha que deve ser, uma SRD linda mestiça com labrador que é super submissa mas precisa seer menos ansiosa quando chega alguem em casa, e o filhote dos dois, que é uma fofura e já tem 6 meses e é super docil ,mas não é submisso ao pai, o lhasa, então brigam feio quando se desentendem por algum motivo, e fco com medo de se machucarem, pois o filhote é bem maior e mais forte ue o pai lhasa, mas o pai é muito controlador e sempre se dá mal nas brigas, ficando machucado, e o filhote é muito ansioso e quando chegamos, não importa a hora, faz muito barulho latindo, pulando e mordendo todos, fica complicado até para receber visitas, as pessoas deixam de ir na minha casa por isso. Gostaria de um help pois sou apaixonada por eles e meu marido vive falando que vai dar ele para outra pessoa pois fica nervoso com essa situação, apesar dele também adorar os 3, por favor me indique o que posso fazer o mais rápido possivel, obrigada

  24. Leonardo 04/05/2016 em 20:52 - Responder

    Minha cachorrinha é uma lhasa e ela é bem sociável com pessoas, mas não pode ver outro cachorro que ela não para de latir, fica alterada. Como socializar e deixa-la calma?

  25. Ikelly 17/06/2016 em 16:46 - Responder

    Olá, adorei as dicas. Adotei uma cadelinha de rua que estava abandonada, segundo a veterinária ela está com uns 4 a 5 meses. Ela é mto dócil, carinhosa e carente, mas tb é mto sapeca. Estou com problemas na socialização com outros cães, ela late demais e nos passeios quase se enforca na guia pq só quer correr o tempo td do passeio. Estamos juntas há 1 semana, mas creio q cm essas dicas vamos conseguir.

Deixar Um Comentário