Diário do Lollo: Xixi e Cocô e destruição em massa

O problema

Aqui em casa tive uma situação desfavorável, que dificultou um pouco o dia a dia com o Lollo. Eu não tenho um cômodo, cozinha ou área de serviço que seja adequado para deixar um filhote boa parte do dia. Minha casa é toda integrada com vãos largos, o que dificulta a  colocação de portões de grade e minha área de serviço bate sol o dia todo e não possui local de sombra, bem como de proteção à chuva lateral, ficando inviável deixar um filhote lá.

Nossa recomendação no caso de filhotes é que, nos momentos em que você não pode supervisionar, deixe-o em um local preparado, sem objetos que ele possa destruir como vassouras, tapetes, panos, móveis de madeira ou palha, vasos de plantas, etc. Isso evita que ele aprenda a destruir tudo que vê pela frente. Recomendamos também forrar esse local com jornal ou tapete higiênico para já ensinar o local correto das necessidades. Escrevemos dois artigos muito bacanas que abordam esses temas:

Link: Cachorro mordendo tudo?

Link: Xixi no lugar certo, como ensinar? 

A solução

Bem, então como você fez se não tinha um local adequado para deixar o Lollo, Sara? Como contei no post Diário do Lollo: A chegada do filhote, optei por um manejo que se pratica muito na Europa, onde o filhote passa o tempo que não pode ser supervisionado dentro de uma caixa e transporte. Esse tempo no início não pode exceder 1 ou 2 horas e existe um tempo máximo também.

Neste manejo, se torna fundamental suprir TODAS as necessidades do filhote, isso significa que quando ele vai para a Caixa de Transporte está tão exausto que só dorme. A caixa acaba sendo a toca que ele pode se refugiar e não será incomodado por ninguém. Nós entendemos suprir todas as necessidades do filhote por:

1) Oferecer alimentação de primeira qualidade, várias vezes por dia e na quantidade adequada à idade do cão

2) Oferecer atividade física diária adequada ao nível de energia do filhote

3) Oferecer atividade mental diária, incluindo treinamento de obediência e regras de boa convivência, além de Enriquecimento Ambiental constante

4) Oferecer contato social adequado, tanto com outros cães como com pessoas

Isso significa que minhas saídas de casa, no primeiro mês, tiveram que ser limitadas à apenas 1 hora por vez, isso porque o Lollo filhotinho não conseguia segurar o xixi por muito tempo e eu não queria de jeito nenhum que ele fizesse suas necessidades dentro da Caixa de Transporte (isso nunca aconteceu até hoje).

O tempo por dia que eu acabei dedicando à ele, somado, é bastante superior à média de tempo que a maioria das pessoas que conhecemos dedica ao seu cão, mesmo sendo filhote. Quando digo dedicação, é essa a palavra pois fora da Caixa de Transporte eu não tinha nenhum outro lugar para deixá-lo sem supervisão ou seja, o tempo que ele estava comigo era supervisionado o tempo todo, o tempo todo educando o que podia ou não pegar dentro de casa e no jardim, todos os xixis e cocôs dele eu acompanhei e já comecei a treinar as necessidades sob comando “Wewe”. É bem isso que os pais fazem com os filhos não é? rsrsrs

Isso significa também que acordei diversas vezes à noite para que ele pudesse fazer as necessidades com um tempo programado para não exceder o tempo que ele conseguia segurar e isso acontece até hoje. Eu tenho consciência de que este manejo é bastante metódico e poucas pessoas teriam a paciência e disposição para fazê-lo e por isso mesmo indicamos aos nossos clientes que haja um local na casa preparado para o filhote, para que ele possa ficar lá sem aprender nada errado ou se machucar e ao mesmo tempo os donos tenham uma maior independência.

Posso dizer com convicção que esse manejo é maravilhoso para quem tem vontade de fazê-lo, fiz com a Radha, minha Border Collie hoje com 6 anos e com o Google, nosso Papillon de 3 anos. A Radha e o Google ficam soltos o dia todo em casa e não destroem nada! Eles não aprenderam a destruir, nunca tivemos a casa “detonada” por eles, nem roupas, sapatos, plantas, nada. O filhote adquiri a liberdade muito rápido e aprende muito rápido quais são as regras da casa, o que pode ou não ser mastigado, onde devem ser feitas as necessidades, enfim, é um manejo que aprovo totalmente por experiência, mas ele pode ser realizado sem uma Caixa de Transporte também, apenas seguindo as dicas do artigo que coloquei lá em cima!

O seu cachorro, quando tem liberdade total à casa, sendo filhote, é como uma criança que com certeza vai destruir alguma coisa ou se machucar sem supervisão, além de fazer as necessidades pela casa toda, estragando tapetes e pisos de madeira. É muito complicado abrir mão da sua mobília, tapetes, cortinas, objetos de decoração só porque você tem um filhote em casa, o custo de tudo isso pode ser alto demais e muitas vezes as pessoas acabam tendo que conviver com móveis destruídos por impossibilidade de comprar novos. Ter um filhote não significa ter a sua casa destruída, pode ser apenas um ganho, sem perdas para a família, pense nisso!

Necessidades em Local Correto

Nas primeiras noites, deixei o Lollo solto pelo quarto pois ele estava mostrando ainda muita falta dos irmãos e da mãe e gostava de ficar deitado ao lado da cama. Eu costumava ficar com a mão sobre ele até adormecer. Assim ele ficou bem mais calmo e não chorou, apenas resmungou duas madrugadas bem pouco. Indicamos muito para nossos clientes que o filhote fique no quarto na primeira semana, isso evita muita dor de cabeça com choros e uivos, principalmente quando você mora em apartamento, além de evitar que o filhote adquira uma ansiedade de separação logo de cara. Até hoje ele dorme no meu quarto, pois foi uma opção minha, porém dentro da caixa de transporte (só coloco a caixa no corredor quando o gordinho está roncando muito e não consigo dormir!!)

Meu quarto forrado de tapetes higiênicos:

b2ap3_thumbnail_b2ap3_thumbnail_Lollo9web_20130921-001102_1.jpg

Ele adora a caixa da Radha, toda fofinha e aconchegante:

b2ap3_thumbnail_lollo12.jpg

Os dois na caixa dele:

b2ap3_thumbnail_Lollo15.jpg

Não dá prá entender mas até os três meses ele cabia dentro da caixa do Google a adorava ficar espremido lá:

b2ap3_thumbnail_Lollo14_20130921-001317_1.jpg

Eu também não havia completado a associação positiva com a Caixa de Transporte ainda, por isso decidi só deixá-lo dormir lá dentro quando ele começou a realmente gostar da caixa, após uma semana em casa. Forrei meu quarto de tapetes higiênicos e ele fazia suas necessidades durante a noite sobre eles. Durante o dia, os tapetes ficavam em um canto da sala sem móveis e eu levava ele no começo de 1 em 1 hora para se esvaziar. Isso me possibilitou estar presente todas as vezes que ele fez suas necessidades e aproveitei para dar comando à essas atividades.

Como ensinar o cão a fazer as necessidades sob comando?

É muito simples! Enquanto o cãozinho estiver fazendo xixi ou cocô, você vai falando a palavra que escolher. No meu caso escolhi “Wewe” pois é o comando que a Radha e o Google já sabem então ficou mais prático para mim. Mas você pode escolher qualquer outro como “Xixi”, “banheiro”, etc. Portanto, durante as necessidades do cão você vai falando:

– “Xixi-xixi-xixi-xixi-xixi-xixi…. até ele acabar.

Pode ser usado para o cocô também, a mesma palavra! Quando ele acabar, você fala com o cão elogiando ele, acariciando e dando uma recompensa de comida, pode ser a própria ração do filhote ou um petisco. Em poucas semanas, repetindo isso de forma sistemática, o filhote associa a palavra com o ato. O xixi é mais rápido de aprender do que o cocô, pois ele faz muito mais vezes o primeiro do que o segundo. Como saber que o cão associou a palavra? É só você levá-lo ao banheirinho e dar o comando. Se ele fizer as necessidades imediatamente quando ouvir o som por algumas vezes, significa que ele associou! Continue recompensando com comida por alguns meses para que o comportamento se torne bastante forte.

O Lollo com quatro meses já fazia xixi e cocô quando eu dava o comando verbal e isso facilita MUITO no dia a dia, principalmente quando você vai levar o cão à algum lugar e quer evitar acidentes. Hoje em dia eu praticamente não o recompenso mais com comida, apenas quando estamos em locais externos e com distrações, mas criei um histórico muito forte de recompensa com comida. Imagina que o Lollo com 2 meses fazia cerca de 17 xixis e 7 cocôs (sim, eu contei!) em apenas um dia! Se multiplicarmos por 30 dias foram cerca de 510 vezes que eu treinei ele a fazer xixi e 210 o cocô sob comando em apenas um mês comigo. É um belo histórico não? No total, recompensei com comida até os quatro meses de idade então o histórico foi superior à essa quantidade que citei. Pode parecer exagero mas quando isso entra na sua rotina se torna muito fácil e tranquilo e voalá, temos um filhote de apenas 4 meses que faz suas necessidades sob comando, não é maravilhoso?

E os erros?

Aí você me pergunta:

– Sara, o Lollo nunca errou o local de fazer as necessidades?

Gente, errou! Errou sim e eu nunca briguei com ele por conta disso. Sabe por que? Todas as vezes que ele errou foi descuido meu, porque eu não o levei na fraldinha no intervalo correto de tempo e ele não conseguiu segurar as necessidades, fazendo dentro do meu quarto ou em qualquer lugar que estava, cozinha, sala, etc.

Um chocolate fofinho irresistível:

O filhote sempre vai querer ficar perto de você o tempo todo no começo, você é a referência dele, está substituindo a mãe e os irmãos! Ele não irá sozinho nos primeiros meses para a fraldinha, grama, jornal, você precisa levá-lo, de preferência fazendo o caminho com ele andando no chão para ir aprendendo.

b2ap3_thumbnail_Lollo13_20130921-001316_1.jpg

Uma vantagem é que aqui em casa não temos tapetes, pois o Leo é alérgico então a superfície mais absorvente acaba sendo o tapetinho higiênico mesmo, mas isso nunca foi motivo para que ele não fizesse no piso frio ou no taco quando estava longe do tapetinho ou quando estava no meio de uma brincadeira super hiper legal com a Radha ou comigo e não queria parar… rsrsrsrsrs

Nenhum manejo é à prova de erros, o importante é que os erros sejam bem menores do que os acertos e que você aprenda com os erros para tentar minimizá-los. 🙂

Gente, como esse post ficou grande, vou deixar para falar da adaptação dele com os cães aqui de casa, como prometi no post anterior, no próximo post tá?

Espero que hoje eu tenha te ajudado a esclarecer como fazer um manejo bacana com seu filhote e evitar os dois maiores problemas que as pessoas nos relatam: destruição em massa da casa e necessidades espalhadas pela casa toda… rsrsrs

Lembre-se: se você escolheu comprar ou adotar um filhote ao invés e um cão adulto, você escolheu também ter paciência para educá-lo intensamente por pelo menos 1 ano, até que aprenda bem todas as regras de convivência que são importantes para nós, mas que sequer passam pela cabeça de um filhotinho de cachorro. Mesmo assim, eles fazem todo o esforço do mundo para se adaptarem às nossas regras, simplesmente porque querem se integrar e realmente fazer parte da nossa família. Tenha paciência! 🙂

Se quiser ver todos os posts do Lollo, acesse a TAG Diário do Lollo e Cães de Assistência, no menu ao lado.

No próximo post vou contar como foi a adaptação do Lollo aos cães aqui de casa. O post vai ao ar na sexta-feira que vem, fique ligado! 🙂

By | 2017-01-18T11:43:07+00:00 setembro 20th, 2013|Categories: Blog|Tags: |1 Comentário

Um Comentário

  1. Juliana Barbosa Russini 21/09/2013 em 03:16 - Responder

    Oi com a Luara ( tb labradora)o problema do xixi fiz um pouco diferente, no dia que chegou a 1ª vez que foi fazer xixi coloquei em cima de um tapete higienico no meu quarto, logo que começou peguei no meio do xixi e levei-a até la e ela as outras vezes já procurou o tapete inclusive para o cocô. Nesta fase não associei o comando, quando começou a comer o tapete higienico e dormir em cima do mesmo comprei um suporte onde deixava o tapete higienico e ela aceitou bem. Quando terminou as vacinas e fui viajar para a chácara para ter espaço para aprender a andar junto com a cadeira de rodas, ao leva-la na grama comecei introduzir o comando. Voltando para casa transferi o banheiro para a lavanderia e passei a mante-la em uma guia de 8 metros dentro de casa para reduzir a destruição em massa e leva-la ao local das necessidades associando o comando e funcionou muito bem. Ainda ha alguns erros mas visivelmente para chamar a atenção. Por exemplo se não estou grudada com ela ela late e chora bastante (ansiedade de separação) ao ignorar para que ela não seja recompensada algumas vezes faz as necessidades fora do local. Mas estes erros são sempre em momentos onde quer chamar a atenção. Em relação ao tempo de leva-la caso eu passe da hora se for durante o dia ela da uns ganidos baixinhos e alguns latidos e se for durante a noite lambe meu rosto para que eu acorde para leva-la.

Deixar Um Comentário