Meu primeiro Cão Terapeuta

Como tudo começou

Desde a época que me interessei por Atividades e Terapias Assistidas por Cães (A/TAA), quando ainda na faculdade de Zootecnia fiz meu estágio supervisionado com a Priscila Lotufo e ela me levou para conhecer as instituições que trabalhava, havia pensado em participar como adestradora, responsável pela seleção e treinamento de cães terapeutas. Escolhi o adestramento como minha profissão, principalmente pela paixão pelos cães e seu comportamento e tive a sorte de, ainda na faculdade, já ter plena certeza de que era isso que eu gostaria de fazer para o resto da vida.
Terminado o estágio supervisionado, em 2004, comecei a trabalhar como adestradora e após um ano fui contactada pelo veterinário Dr. Luis, que gostaria de trabalhar com sua linda golden retriever Loira, o primeiro cão que avaliei para A/TAA. A instituição escolhida foi o Instituto Norberto de Souza Pinto, em Campinas – SP, minha cidade Natal. Após o treinamento e avaliação da Loira, ela começou a desenvolver Atividade Assistida por Cães, juntamente com a equipe multidisciplinar do instituto. O Dr. Luis sempre foi muito ético e comprometido e íamos com a Loira toda semana para lá.Tive que estudar muito, desenvolver uma avaliação criteriosa para os cães terapeutas e observar a Loira intensamente durante as sessões. Após um tempo, outros cães começaram a entrar no projeto, depois de serem avaliados. Aprendi muito com todos e até hoje sinto saudades! Agradeço o Dr. Luis por ter acreditado no meu trabalho e ter me inspirado com uma postura tão séria e profissional diante da A/TAA.

MudançaQuando me mudei para São Paulo, a Priscila, com quem fiz o estágio supervisionado, me pediu para conhecer o Projeto Doutor Cão, pois ela era a treinadora do grupo mas teria que se mudar de cidade, impossibilitando o trabalho. Nesta época eu havia quebrado o joelho e estava andando como “ponto e vírgula” como diz o Leonardo… rs Mesmo assim resolvi conhecê-los e me encantei. A equipe me fez o pedido formal para ser a treinadora dos cães e eu aceitei.

Desde 2007 tenho o privilégio de conviver com esta equipe, aprendendo a cada minuto que passo com eles. Posso dizer que através deles pude amadurecer como treinadora e como pessoa também, entre outras coisas tendo que dar conta de ministrar uma aula coletiva para mais de quinze cães e vinte pessoas ao mesmo tempo.
Após conhecer meu trabalho no Doutor Cão (atualmente Equipe Terapia Cão Carinho), o fisioterapeuta Vinícius Ribeiro da ONG TAC- Terapias Assistidas por Cães se interessou e me convidou para ser a treinadora dos cães da equipe. Eu já o conhecia, achei o trabalho magnífico e muito sério, mas tinha dúvidas se daria conta das duas equipes. Depois de alguma relutância, acabei aceitando. Hoje sei que foi uma das decisões mais acertadas que tomei. 
Adestrador x Condutor

A visão de um adestrador é bem diferente da visão de um condutor (condutor é o proprietário do animal que o conduz durante as sessões), em uma visita de A/TAA. O adestrador não leva seus cães na sessão, permanecendo como observador, avaliando cada sinal do cão e seu condutor em cada exercício, como melhorar o desempenho da dupla, como ajudar o cão a entender melhor o que se espera dele, como melhorar a comunicação do condutor e do cão, etc. É necessário ter experiência com cães, uma visão profunda sobre treinamento, comportamento e linguagem canina, além de um timing bastante preciso. O adestrador fica de longe observando o todo, sem interferir ou fazer parte dos exercícios.

Ao final das sessões que acompanho, costumo sempre fazer um fechamento com a equipe, comentando todos os pontos que observei em cada dupla que podem ser melhorados. O acompanhamento de algumas sessões é extremamente importante para conhecermos bem os cães trabalhando e muitas observações influem no treinamento deles.

Como condutor é preciso estar atento aos diversos sinais dos cães (conhecimento adquirido nas aulas de adestramento), à dinâmica da atividade, aos assistidos e suas necessidades, além de ter a responsabilidade de seguir as orientações do treinador da equipe e treinar seu cão diariamente por pelo menos dez minutos por dia em casa. O condutor interage com os assistidos e pode fazer parte da dinâmica trabalhada na sessão.

Meu próprio Cão Terapeuta

Pensei em cada um dos seis cães que tínhamos na época e se algum deles poderia estar apto a ser um cão terapeuta. Eu e o Leonardo sempre dividimos as responsabilidades sobre os cães, ele cuidava de quatro e eu de duas: Ivy, SRD de porte grande e Radha, border collie, que vieram de Campinas comigo. Porém, após alguns testes e conhecendo-as bastante, nenhuma das duas possuía o temperamento que considero ideal para este tipo de trabalho.

Ivy – SRD
Radha – Border Collie

Um dos cães do Leonardo, o Anakin, tem um temperamento excelente, mas na época ele estava sendo treinado quase todos os dias para competir no Agility e acabei desistindo de treiná-lo para A/TAA. O calendário de provas do Agility é bastante puxado e sempre aos finais de semana, coincidindo com o trabalho realizado pela Equipe Terapia Cão Carinho.

Anakin – Border Collie

Quando a Camomila, nossa Border Collie nasceu, comecei a pensar  seriamente na possibilidade de avaliá-la para o trabalho de cão terapeuta. Eu já havia adquirido uma certa experiência no treinamento de cães para A/TAA e gostaria de aprender também como ser uma boa condutora.

Cheguei a levar a Camomila para algumas aulas de socialização da Equipe Terapia Cão Carinho, na época ela era uma filhota de quatro meses. Porém, depois de três meses, ganhei um Papillon filhote, muito fofo. Eu e Leonardo concordamos que seria puxado demais treinar dois filhotes ao mesmo tempo, e ele acabou assumindo as responsabilidades sobre a Camomila, focando o treinamento dela em Agility, seu dom natural.

Camomila – Border Collie

Meu foco se voltou ao pequeno orelhudo Google. Havia feito uma pré-avaliação dele, antes de decidir trazê-lo para casa e o ratinho passou em todos os testes com louvor.

Google com dois meses, ainda no Canil Salatino

Nestes um ano e três meses comigo, foquei o treinamento dele para a A/TAA e chegou a hora de avaliá-lo. Decidi pedir ajuda à duas pessoas que também trabalham com isso, Kátia e Carla da ONG Inataa, para avaliá-lo. O fato de ele ser meu cão, por mais que eu me esforçasse, e até sem perceber, poderia interferir no resultado dos testes.

Google com quatro meses e Mariana: socialização com crianças, na escola de Agility Dog World

 

Google com nove meses, no aniversário do Cachorro Verde

Levei-o no sábado passado, e depois de três intensas horas de troca de experiências e de avaliação, ele passou!

Foi muito importante eu ter passado pela experiência de ter um cão avaliado por outras pessoas, super competentes e sérias, porque isso com certeza me ajudará a compreender melhor os donos de cães que levam seus amados para que a “tia Sara” avalie. Eu fiquei ansiosa, fiquei apreensiva e mesmo fazendo um esforço hercúleo, criei expectativas. Isso é inerente ao ser humano.

A responsabilidade aumentou mais ainda, e terei que trabalhar em alguns pontos específicos que recebi de feedback da Kátia e da Carla, pois o Google apresentou sensibilidade ao ser “beliscado” nas costas, porém sem agressividade. Geralmente cães pequenos costumam ser mais sensíveis e nós acabamos tendo muito mais cuidado ao manuseá-los. Trabalharei bastante esses pontos durante três semanas e depois preciso mostrar os resultados para elas.

Uma nova etapa

Agora começaremos juntos, eu como condutora aprendiz e meu pequeno orelhudo Google como trainee, iniciando nossa fase de adaptação ao trabalho, tanto na Equipe Terapia Cão Carinho, como na Equipe TAC. Será uma longa fase de aquisição de experiências e estudos mais profundos dos diversos tipos de assistidos e pacientes que são atendidos. Espero que eu consiga aprender rápido para ajudar o ratinho a desempenhar cada vez melhor e um dia se tornar um pequeno grande cão terapeuta!

Tudo isso só foi possível por causa de duas pessoas, Rochester e Cláudio, criadores da raça e proprietários do Centro Cinófilo Salatino, que me deram o melhor presente que já ganhei na vida, o Google, meu companheiro de todas as horas, doce e inteligente, que traz alegria e me diverte todos os dias.

Muitíssimo obrigada à Kátia e à Carla, pessoas extremamente dedicadas ao trabalho de A/TAA no Inataa, super competentes e experientes, que se dispuseram com a maior boa vontade a avaliar o Google e se colocaram super abertas para trocarmos experiências como treinadoras de cães de A/TAA, o que foi muito importante para mim!

E agradeço ao pequeno Google, pequeno de tamanho mas grande em virtudes, por ter entrado na minha vida e todos os dias me transformar em uma pessoa melhor, com a paciência e o amor incondicional que os cães naturalmente possuem.

By | 2017-01-18T11:43:15+00:00 Março 19th, 2012|Categories: Blog|Tags: |8 Comments

8 Comentários

  1. Fúlvia e Suzie 19/03/2012 em 18:11 - Responder

    Parabéns por mais esta conquista, Sara!!! Com certeza você merece, viu?! Que Google seja um pequeno grande cão terapeuta, além de ser um ótimo companheiro!Beijos a todos vocÊs!!!Ful

  2. Sara Favinha 19/03/2012 em 22:01 - Responder

    Obrigada Ful!!!! 🙂

  3. Karine Lima 19/03/2012 em 22:08 - Responder

    Parabéns Sara! Só imagino a felicidade que você deve estar nesse momento! Conseguiu, finalmente, seu primeiro cão terapeuta! Que Google tenha sucesso no seu novo “trabalho”. =Dbeijos

  4. Mosa 19/03/2012 em 23:18 - Responder

    Maravilha! Parabéns Sara! Todo sucesso do mundo pra vocês dois! Esse trabalho é muito importante e creio que vocês vão levar cura e alegria pra muita gente! Bjs.

  5. Sara Favinha 20/03/2012 em 16:21 - Responder

    Obrigada Karine Lima e obrigada Mãe!

  6. Ale 21/03/2012 em 01:29 - Responder

    Linda sua história e inspiradora! Estou iniciando e sei o quanto tenho a aprender, e o espaço do grupo no face tenho certeza que me ajudará muito!Abraços e sucesso, Ale.

  7. Sara Favinha 07/05/2012 em 00:05 - Responder

    Ale, obrigada!!! 🙂

  8. Sandra 29/07/2017 em 11:18 - Responder

    Gostaria de um adestrador para fazer do meu cão um cão terapeuta.
    Sou de São Paulo.
    Alguma sugestão que tenha um preço bacana?

Deixar Um Comentário