Por que aulas exclusivas para filhotes?

Este conceito de aulas em grupo é algo diferente do que as pessoas estão acostumadas, estamos trazendo muitas coisas novas e que provavelmente a maioria nunca viu. A Turma de Filhotes é uma delas.

Os filhotes estão na fase das descobertas, das primeiras impressões sobre tudo. Hoje em dia ainda é muito difundido o conceito de que um cão só pode começar a ser treinado com 6 meses de vida. Provavelmente o método utilizado envolve punições, e aplicá-las em um filhote antes dos 6 meses de idade (época do imprinting) pode gerar traumas irreversíveis (isto também acontece com cães adolescentes e adultos).

Com métodos realmente positivos, pode-se começar a treinar um filhote com 50 dias. Ele estará aprendendo de qualquer forma, inclusive aquilo que os donos não querem que ele aprenda, então, por que já não direcionar tudo isso para o objetivo: um cão bem comportado e educado?

Frequentemente ouço os seguintes comentários das pessoas, tanto donos de filhotes como de cães adultos:

– Mas ele é assim. Ele sempre teve medos.

– Ele é dominante, desde filhote!

– Não sei porquê, mas ele sempre teve esse comportamento, é o jeito dele…

É importante sabermos que o cão é altamente ‘moldável’. A bolinha peluda que vai para casa se torna aquilo que fizermos ela se tornar. O temperamento dos cães influencia bastante em como eles irão lidar com cada estímulo, quais serão as reações, o quanto insistirão em determinadas tentativas, etc. Porém é mais importante ainda que sempre nos lembremos: Os cães fazem aquilo que funciona! Se deixa de funcionar, eles mudam de atitude. Com esse conceito extremamente simples de entender (mas não tão simples de aplicar para algumas pessoas), podemos ir ‘moldando’ o cão para o nosso ideal. Como? Controlando as consequências dos comportamentos que eles oferecem. Isso exige um pequeno planejamento, um certo timing para recompensar e também uma certa paciência para entendermos o tempo de cada cão e sabermos que a aprendizagem é um processo e não um ponto final.

Para nós, enquanto o cão estiver vivo, ele deve ser treinado. Ele está, assim como nós, aprendendo o tempo todo.

Donos de filhotes costumam ficar entusiasmados com a primeira aula e me perguntam:

– Então eu tenho que deixar meu cão brincar com todos os cães, o máximo possível certo?

E a resposta é:

– Não…

Não, por uma simples razão: Todos os cães são sociáveis, equilibrados e possuem uma execelente linguagem corporal? É só passearmos nas ruas por 15 minutos e conseguiremos responder a esta questão com convicção.

É importante que os primeiros contatos e referências dos filhotes sejam positivas com cães (e com pessoas). Quem aí já não ouviu falar de algum cão que, quando filhote, levou uma mordida de um outro cachorro, por exemplo um boxer, um pastor alemão, um cão de pelagem escura, um cão pequeno, e não S-U-P-O-R-T-A a presença de qualquer cão parecido com aquele, até hoje?

Se as primeiras impressões forem ruins e depois disso o cão não tiver oportunidades de criar muitas outras impressões positivas sobre o mesmo ‘assunto’, isso certamente pode acontecer. Na Turma de Filhotes o objetivo é criar excelentes primeiras impressões. Nela os donos aprendem como oferecer uma interação saudável para seus cães, como ler a linguagem coporal deles e das outras bolinhas de pêlo, como oferecer suporte nesta fase tão delicada.

Um cão que foi bem socializado, quando passa por uma situação difícil como por exemplo estar próximo de um cão agressivo, ser montado por outro cachorro ou ver um cão se aproximando de forma rápida e intimidatória, irá encarar essa situação ou esse cão específico como a excessão, e não a regra. Este cão bem socializado já teve muitas oportunidades de brincar e de divertir com outros cães.

Costumo usar o seguinte exemplo: Imagine que você está andando na rua e de repente aparece um homem pintado de azul. Azul, azulzinho. Nossa, que diferente né? Ele parece meio ‘espalhafatoso’ e quando se aproxima de você grita alto AAAAAAAAAA e te empurra. Você leva um baita susto e se distancia, pois ele continua gritando e te empurrando enquanto te alcança. Caramba, que cara doido, eu hein…

No dia seguinte você está no trabalho e aparece outro homem azul, dessa vez mais baixinho. Aí você já fica meio de olho nele, mas ele parece até inofensivo, então você relaxa. Assim que se aproxima dele, o cara grita AAAAAAAAAA e te empurra. Você tenta sair da sua mesa mas enrosca a blusa, e o cara continua gritando e te assustando, até que finalmente você consegue fugir. Poxa, não é possível! Esses azuizinhos são um problema, não?

Quando essa situação acontece algumas vezes, ao se deparar com um homenzinho azul, mesmo que ele não faça nada, nem grite, nem te empurre, nem olhe diretamente para você, provavelmente você ficará em estado de alerta e evitará a todo custo chegar perto dele. Agora imagine essa situação, mas dentro de um elevador. Você não pode sair correndo, então é bem provável que vá prá cima dele com a voadora que aprendeu na aula de Kung Fu ou então você se encolhe e espera o pior.

Fica mais fácil entendermos os cães não? Estando na guia ou não, eles tentarão evitar ‘homenzinhos azuis’, ou aprenderão a usar seus dentes para afastá-los, usando ou não os latidos para evitar inclusive que se aproximem.

Nas Turmas de Filhotes, nós mostraremos para os cãezinhos que cães desequilibrados são a excessão e não a regra. Com a informação correta, seus donos também conseguirão identificá-los, e como uma informação correta faz diferença! Além disso, os filhotes aprenderão os comandos básicos e os donos participarão de uma palestra com diversas orientações para o treinamento dentro de casa, das necessidades no local correto, destruição de objetos e móveis, enriquecimento ambiental para filhotes, latidos a noite, etc.

E tudo isso de graça! Essa é uma de nossas iniciativas para ajudar a melhorar a Cultura Cinófila do nosso país. Para saber as datas e locais das turmas acesse: https://tudodecao.com.br/adestramento-de-caes.shtml
By | 2017-01-18T11:43:20+00:00 setembro 20th, 2009|Categories: Blog|Tags: |0 Comentários

Deixar Um Comentário