Layla

Quanto mais tenho contato com os cães, seus donos e suas histórias, experiências e dificuldades, mais tenho certeza de que nada é por acaso. Layla chegou para nos ensinar. Ela foi uma golden retriever que viveu nove intensos meses. Seus donos me ligaram quando ela tinha três meses e meio porque estava “espoleta”. Pulava muito, corria e subia no sofá, enfim, tocava o terror no apartamento.
Me lembro tão claramente do primeiro dia de aula. Ela era mesmo maluquinha… Tão intensa em tudo, cada movimento, a vontade de treinar, a vontade de acertar, a vontade de comer, a vontade de pular! Sabe aquele cão que parece que tem tanta energia que não cabe no corpinho de filhote? Foram cinco meses de treinamento e Layla já estava super comportada, dormindo solta pelo apartamento, não pegava nem destruía nada, estava uma graça. Seus donos se dedicaram muito ao treinamento. Costumo passar lição de casa para meus clientes e quando eu voltava na semana seguinte, eles tinham feito tudo direitinho. Dava para ver claramente a dedicação deles no próprio comportamento da cachorrinha, que melhorava a olhos vistos e aprendia muito rápido. Até eu ficava empolgada e alongava a aula em quase meia hora! É raro encontrar pessoas tão dedicadas e comprometidas com seus pets e depois fui entender. Layla não era o bichinho de estimação deles, ela veio como se fosse uma filha. É como eu sentia que eles se dedicavam a ela.
Por uma fatalidade infelizmente perdemos Layla há quinze dias. Eu me perguntei várias vezes o por que, justo eles, justo ela. Nossa última aula foi no shopping, ela e o dono passeando na frente e eu dando instruções atrás, junto com a dona. Nós ríamos muito olhando eles dois andando na nossa frente, porque ela rebolava demais! Estava se exibindo lá com ele, foi engraçado. A próxima aula seria novamente no shopping para que a dona treinasse.
Fui visitá-los novamente uma semana depois da perda e acredito que tenha sido tão importante para eles quanto para mim, ir para o apartamento pela primeira vez sem ela me esperar na porta (ela estava aprendendo a receber visitas). Por que uma vida tão curta? Essa é uma pergunta simples mas acredito que iremos receber respostas por muito tempo.
Posso dizer que com certeza aprendi lições que consegui enxergar somente através da Layla e dos donos dela: viver intensamente, não deixar as coisas para depois nunca. Fazer o que tenho vontade de fazer sem me preocupar se vou perder tempo com isso, ser feliz agora e demonstrar para as pessoas que amo o que sinto agora. Isso me fez mudar. Já fazia três anos que não via minhas amigas de infância, e no final de semana passado fui no aniversário de uma delas, fui na casa de pessoas que eu não via a algum tempo e na Páscoa vou para uma reunião de família, rever pessoas que não vejo há mais de dois anos. Não vou mais deixar isso acontecer, não importa o quanto esteja trabalhando.
Esta família também me ensinou outra coisa muito importante. Me entregar, não ter medo de me entregar. Eu havia comentado com o Leo várias vezes como os donos da Layla se abriram para receber ela, em como eles mudaram a rotina, abriram realmente o coração e se entregaram para ela e ela fez o mesmo. Os cães sempre fazem isso, eles estão conosco de verdade, prá o que der e vier. Quando recebi a notícia não pude nem imaginar o tamanho da dor que eles estavam sentindo. Mas vi que vivendo assim, você sempre está presente, de corpo inteiro, de coração, no que quer que faça, no que quer que sinta. Isso deu um novo significado ao sentido de ‘viver a vida’ para mim.
Fico imensamente grata por ter conhecido os três e ter tido oportunidade de aprender de forma tão rica e intensa. Com certeza aprendi muito mais do que ensinei.
Layla adolescente
By | 2017-01-18T11:43:19+00:00 Março 28th, 2010|Categories: Blog|Tags: |8 Comments

8 Comentários

  1. Luíza 28/03/2010 em 22:24 - Responder

    Poxa Sara, história bonita, apesar de triste. Cães vem para ensinar lições né, e o importante é que ela consegui passar a lição dela para seus humanos.

  2. Camila Sakavicius 28/03/2010 em 22:40 - Responder

    Putz… eu perdi um cliente há algum tempinho tb, praticamente a mesma história…Como eu sou bem “covarde”, não consigo nem escrever sobre isso…Mas é impressionante como isso mexe com a gente…Espero que a Layla esteja brincando com o Bart nesse momento!!

  3. Sara Favinha 28/03/2010 em 22:40 - Responder

    Com certeza Luíza, quase não fiz o post porque sabia que os donos iriam chorar bastante de saudade. Só fiz porque eles realmente entenderam essa mensagem que ela acabou passando e guardam as melhores recordações.

  4. Sara Favinha 28/03/2010 em 22:43 - Responder

    Camila, eu queria compartilhar essa história porque sei que muitos cãezinhos que ainda estão com seus donos podem ser beneficiados, inclusive os meus!

  5. é verdade…esses bichinhos mudam muito a gente…so amor, carinho e atenção…Mas não ha como não sentir e sofrer com a perda de tão estimado coração….lambeijosss

  6. Alessandra Mosquera 31/03/2010 em 11:42 - Responder

    Lindo post. Realmente, quando nos dedicamos a um cao como se fosse nosso filho, aprendemos tanto, mas tanto… apesar da vida curta da Layla, com certeza tudo valeu a pena e seus donos sao melhores agora.

  7. Malu 01/04/2010 em 21:49 - Responder

    Nossa Sá, maravilhoso.Eu chorei aqui…Muuuito triste isso, mas é mesmo uma história linda.Parabéns para os donos, pelo trabalho que tiveram com ela…Força pra eles…

  8. Sara Favinha 08/04/2010 em 14:28 - Responder

    Pessoal, uma ótima notícia: Agora eles tem uma nova amiga! Isso é história para outro post… 🙂

Deixar Um Comentário